A Comunicação Intuitiva/Telepática é real? Pesquisa científica explica

Há alguns pesquisadores estudando a comunicação telepática ou transferência de informações de forma não-local entre duas pessoas.

A comunicação intuitiva não é uma comunicação no sentido de enviar um sinal através do tempo/espaço.

Ela é explicada pelo princípio da não-localidade, onde 2 pontos se conectam instantaneamente através de um processo chamado entrelaçamento quântico. No curso de Comunicação Intuitiva Animal o aluno aprende a se comunicar dessa forma. Você pode saber mais aqui.

Nesse texto trago um dos trabalhos científicos sobre o assunto.

Os pesquisadores são: J. Grinberg-Zylberbaum, M. Delaflor, L. Attie, and A. Goswami 

O artigo original em inglês está aqui: The Einstein-Podolsky-Rosen Paradox in the Brain: The Transferred Potential

O artigo traduzido está logo abaixo, espero que contribua.

Ricardo Garé

Médico Veterinário com práticas exclusivamente Holísticas/Integrativas

CRMV-SP – 15.441

Mestre em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina Veterinária da USP

Mestre em Reiki, Comunicador Animal profissional, Instrutor e terapeuta de ThetaHealing

Coordenador da Pós Graduação de Reiki e práticas de desenvolvimento pessoal.

 

O paradoxo de Einstein-Podolsky-Rosen no cérebro: o potencial transferido

J. Grinberg-Zylberbaum, M. Delaflor, L. Attie, and A. Goswami 

Resumo

As correlações de Einstein-Podolsky-Rosen (EPR) entre cérebros humanos são estudadas para verificar se o cérebro possui um componente quântico macroscópico. Pares de sujeitos tiveram permissão para interagir e foram então separados dentro de câmaras Faraday semi silenciosas a 14,5 metros de distância quando sua atividade EEG foi registrada. Apenas um sujeito de cada par foi estimulado por 100 flashes. Quando o sujeito estimulado apresentava potenciais evocados distintos, o sujeito não estimulado apresentava “potenciais transferidos” semelhantes aos evocados no sujeito estimulado. Os sujeitos de controle não mostraram tais potenciais transferidos. Os potenciais transferidos demonstram correlação EPR não local de cérebro a cérebro entre os cérebros, apoiando a natureza quântica do cérebro no nível macro.

Palavras-chave: potenciais evocados, potenciais transferidos, comunicação humana não local, correlação EPR

1. INTRODUÇÃO

Em 1935, três físicos renomados, Einstein, Podolsky e Rosen publicaram um artigo no qual criticavam a mecânica quântica, alegando que, se fosse um modelo completo da realidade, então as interações não locais entre as partículas deveriam existir. Já que isso era claramente impossível, a mecânica quântica tinha que estar errada ou pelo menos incompleta. Essa crítica é conhecida como paradoxo EPR.

Por quase meio século, o paradoxo EPR permaneceu sem testes experimentais, até que em 1982 Aspect et al (2) verificaram experimentalmente que as influências não locais entre as partículas de fato existem uma vez que essas partículas tenham interagido. Visto que a não localidade nunca pode ser simulada por um sistema clássico (3), a não localidade EPR pode ser usada para testar a natureza quântica explícita dos sistemas. O objetivo deste artigo é demonstrar a existência de um sistema quântico macroscópico no cérebro humano por meio da demonstração da correlação não local EPR entre cérebros.

Que o cérebro humano pode conter um sistema quântico, além de seu sistema neuronal clássico, é uma idéia de décadas. (4-8) O que se segue é um breve resumo.

Como um impulso elétrico passa de um neurônio para outro através de uma fenda sináptica? A teoria convencional diz que a transmissão sináptica deve ser devido a uma mudança química. A evidência para isso é um tanto circunstancial, no entanto, e Walker a contestou em favor de um processo mecânico quântico (4). Walker pensa que a fenda sináptica é tão pequena que o tunelamento quântico pode desempenhar um papel crucial na transmissão de sinais nervosos. Eccles discutiu um mecanismo semelhante para invocar o quantum no cérebro.

Bass e, mais recentemente, Wolf sugeriram que para a inteligência operar, o disparo de um neurônio deve ser acompanhado pelo disparo de muitos neurônios correlacionados a distâncias macroscópicas, de até 10 cm, que é a largura do tecido cortical. Para que isso aconteça, teoriza Wolf, precisamos de correlações não locais (ao estilo EPR, é claro) existentes no nível molecular em nosso cérebro, em nossas sinapses. Assim, mesmo nosso pensamento comum depende da natureza quântica dos eventos no cérebro (5).

A questão crucial é: como o cérebro acomoda a consciência? Talvez o cérebro acomode a consciência porque tem um sistema quântico que compartilha o trabalho com o sua versão clássica, sugerem Stuart et al. (6) e Stapp. (7) Neste modelo, que Goswami adaptou em um modelo idealista de consciência e medição quântica (8 e 10) a mente-cérebro é considerada como dois sistemas clássicos e quânticos interagindo. De acordo com Goswami, o sistema clássico atua como o aparato de medição para o sistema quântico. E a consciência é acomodada porque é a consciência agindo não-local e autorreferencialmente que colapsa os estados do sistema dual quântico / aparelho de medição clássico, (11)

As idéias de Grinberg-Zylberbaum (12) acrescentam mais clareza a esse quadro. De acordo com a teoria sinérgica de Grinberg-Zylberbaum, a atividade conjugada de todos os elementos neuronais de um cérebro em funcionamento forma uma matriz de interação chamada campo neuronal. Postulamos que o campo neuronal representa o efeito da medição quântica pelo aparelho de medição do cérebro. O campo neuronal é, portanto, a manifestação após a medição do estado do sistema quântico do cérebro que existe em potentia antes da medição. É esse campo neuronal que é indicado localmente nas leituras de EEG.

Como se testa este modelo quântico de consciência mente-cérebro? Goswami e McCarthy encontraram evidências para tal modelo nos dados de ambigüidade de sentido de palavra de Marcel (13) e sugeriram ainda um experimento de interferência quântica – o análogo de um experimento de dupla fenda com o cérebro-mente (14). Outro caminho igualmente convincente para a evidência do quantum no funcionamento macroscópico do cérebro é demonstrar a não localidade EPR diretamente entre os cérebros.

Já existem alguns indícios de que a correlação EPR também pode ocorrer em níveis mais complexos (como o cérebro humano). Recentemente, mudanças foram mostradas na coerência inter-hemisférica de sujeitos individuais que estavam localizados em uma câmara de Faraday à prova de som enquanto uma sessão de meditação era realizada à distância por um grupo de sujeitos, (15) A meditação produz um aumento na coerência e correlação inter-hemisférica (16) de tal forma que as mudanças ao longo da distância provavelmente refletiam uma interação entre as coerências dos cérebros.

Outro estudo (19) lança uma luz sobre esse assunto, mostrando que os padrões de correlação inter-hemisférica em dois sujeitos durante a comunicação empática não verbal tornam-se semelhantes. Essa comunicação se refere à capacidade dos sujeitos de sentirem união mútua sem a necessidade da fala. Chamamos isso de comunicação direta. As semelhanças nas morfologias dos padrões de correlação inter-hemisférica mantêm uma relação direta com o grau ou intensidade da comunicação direta (18) e são mantidas mesmo quando os sujeitos em questão estão separados em duas câmaras Faraday individuais (19). Os estudos mencionados anteriores mostram que existe uma transferência de atividade EEG e que essa transferência não é o resultado de fatores inespecíficos como habituação, fadiga ou relaxamento (17). No entanto, nenhum dos estudos acima mencionados testou a possibilidade da existência de uma transferência de sinais específicos, como os potenciais evocados, com exceção de um artigo publicado recentemente (19) em que foi observado que um potencial evocado em um sujeito estimulado é “transferido” para outro sujeito uma vez que tenham interagido. Um potencial evocado é uma resposta eletrofisiológica do cérebro produzida por um estímulo sensorial. Este estudo foi realizado em duas câmaras de Faraday separadas por uma distância de aproximadamente 3 metros. O seguinte experimento foi desenhado precisamente para explorar a possibilidade de replicar o experimento anterior, mas a uma distância maior.

2. MÉTODO DE EXPERIÊNCIA

De acordo com Goswami, (20) a observação da não localidade quântica no cérebro humano depende crucialmente de nossa capacidade de correlacionar cérebros. O trabalho anterior de Grinberg-Zylberbaum e Ramos (17) sugere um protocolo experimental para correlacionar cérebros. Neste estudo, descobriu-se que, se duas pessoas meditam juntas, o EEG de seus cérebros exibe coerência de fase entre si. A coerência de fase é uma assinatura bem conhecida da não localidade quântica. Consequentemente, os sujeitos deste estudo foram correlacionados meditando juntos por cerca de 20 minutos.

Um total de sete pares de indivíduos normais de ambos os sexos e de idades variando de 20 a 44 anos participaram deste estudo. Foram utilizadas duas câmaras de Faraday com isolamento acústico, separadas por uma distância de 14,5 metros. Em todos os sujeitos foram realizados registros monopolares nas derivações O1 e 02, mantendo um eletrodo de referência na ponta do nariz. Em uma das câmaras (a câmara de estimulação) a atividade EEG foi registrada usando um polígrafo Beckman. Na outra (a câmara de transferência), foi utilizado um polígrafo Grass. Em cada câmara, a atividade de EEG foi digitalizada usando um conversor A / D de 12 bytes e foi analisada por dois computadores AT de marcas diferentes.

Os filtros analógicos usados ​​tinham janela entre 5,3 Hz e 35 Hz. Além disso, um filtro digital foi usado para eliminar todas as frequências do EEG abaixo de 12,7 Hz. A cada um dos sujeitos na câmara de estimulação (sujeito A), 100 flashes foram aplicados em intervalos aleatórios de 2 a 5 segundos, enquanto os sujeitos permaneceram reclinados e com os olhos semi fechados. O outro sujeito da dupla (Sujeito B) permaneceu na câmara de transferência reclinado e com os olhos fechados e não recebeu estimulação, nem sabia quando o Sujeito A estava sendo estimulado. Cem amostras de atividade EEG foram tiradas de cada sujeito durante 512 μs “epochs”, sincronizadas com os flashes durante duas condições diferentes: Condição 1: antes da interação, e Condição 2: após a interação. Para atingir a Condição 1, os sujeitos de cada par foram conduzidos às duas câmaras sem se terem visto e sem saber que o seu parceiro estava na outra câmara. Nessas circunstâncias, as médias das 100 amostras de EEG foram obtidas de cada sujeito. Nenhum dado foi descartado.

Para a Condição 2, os sujeitos foram apresentados uns aos outros dentro da câmara de estimulação com instruções para se conhecerem e então se sentarem em silêncio meditativo por 20 minutos. [Este protocolo presumivelmente estabeleceu correlação quântica conhecida como comunicação direta (CD); os dados indicam que cerca de 25% dos pares de sujeitos obtiveram sucesso na CP.] Então o sujeito B foi diretamente para a câmara de transferência por conta própria e sem interagir com ninguém, mantendo a DC. Uma vez lá, ele se reclinou com os olhos fechados. Os sujeitos foram instruídos a manter a DC com seus parceiros enquanto o Sujeito A era estimulado por uma série de 100 flashes aplicados em intervalos aleatórios por um fotomestimulador Grass na potência máxima. Nesta condição (Condição 2), uma média de atividade EEG foi considerada como na Condição 1.

Além disso, dois testes de controle cego (sem o conhecimento de nenhum dos sujeitos) foram realizados, consistindo em uma média de 100 amostras de EEG sem estimulação escolhidas aleatoriamente (Controle A) e uma média de 100 amostras de EEG sob estímulo, mas sem um sujeito na câmara de estimulação (Controle B). As médias obtidas em ambas as condições e durante os controles foram comparadas para ver se um potencial semelhante ao evocado (do sujeito A) foi registrado no sujeito B. O programa de gravação rejeitou automaticamente os segmentos de EEG de ambos os sujeitos que estavam saturados (por exemplo, devido ao movimento). As médias potenciais de ambos os sujeitos foram calculadas levando em consideração todos os estímulos (flash) sem eliminar nenhum. Em outras palavras, tanto para o potencial evocado quanto para o potencial transferido, os dados são apresentados sem qualquer seleção arbitrária.

A atividade EEG de todos os sujeitos foi filtrada digitalmente de 0 Hz – 12,7 Hz com o objetivo de eliminar qualquer possibilidade de que os potenciais fossem resultados casuais da atividade cerebral alfa (ou outra onda lenta). As análises estatísticas foram realizadas usando análise espectral, coeficiente de correlação e teste t para comparar as atividades de EEG dos indivíduos em todas as condições de controle e experimentais.

Para atingir este objetivo, a atividade EEG de cada condição (1 e 2) foi digitalizada com uma velocidade de amostragem de 8 μs. O valor da correlação estatística entre os potenciais elétricos dos dois sujeitos foi obtido a cada 128 μ (cada 16 pares de dígitos). O primeiro valor de correlação foi calculado para os primeiros 16 pares de dígitos. Um segundo valor de correlação foi obtido deslocando a análise 8 μs no tempo para obter um segundo conjunto de 16 pares de dígitos. Desta forma, os valores de correlação foram calculados mudando a cada 8 μs até o total de 512 μs para cada média. Assim, obtivemos um total de 48 correlações de Pearson para cada par de médias potenciais. Para cada valor da correlação, calculamos o nível de significância estatística.

Na seção seguinte, apresentamos nossos resultados experimentais e as análises estatísticas.

3. RESULTADOS

Quando a interação foi considerada bem-sucedida (em cerca de um em cada quatro casos em que os sujeitos foram capazes de atingir e manter comunicação direta enquanto estavam separados) e quando a média do sujeito A mostrou um potencial evocado distinto (PED), encontramos potenciais de morfologia semelhante no sujeito B. Estes últimos chamamos de potenciais transferidos, exemplos dos quais são mostrado nas Figs. 1 e 2 para a derivação 02. A média de 100 amostras de atividade EEG em ambos os sujeitos (A e B) mostra uma semelhança notável. É importante notar que em todos os nossos números, as médias foram calculadas a partir de 100 segmentos sem omissões arbitrárias.

Na Fig. 1, os níveis de alta correlação estatística entre 0,700 e 0,929 ocorreram nos primeiros 132 μs. Isso corresponde a uma significância estatística em um nível onde a probabilidade de ocorrência do acaso é menor que 0,009 (p <0,009). Na Fig. 2, os níveis de correlação foram obtidos com p <0,005 entre 0 e 73 μs. Os índices de correlação entre os potenciais evocados e transferidos variaram entre 0,62 e 0,92.

Nas Figs. 3, 4 e 5 pode-se notar que sem interação, na ausência de um PED, e sem estímulo, respectivamente, nenhum sinal potencial claro foi encontrado no Sujeito B, e nenhum valor estatisticamente significativo para a correlação foi obtido também .

4. DISCUSSÃO

Nossos resultados indicam que após uma interação meditativa entre dois seres humanos em que ambos os sujeitos são instruídos a manter comunicação direta (ou seja, sentir a presença um do outro mesmo à distância), em cerca de um em quatro casos quando um dos sujeitos é estimulado de forma que seu cérebro responda claramente (com um potencial evocado distinto), o cérebro do sujeito não estimulado também reage e mostra um potencial transferido de morfologia semelhante. Os potenciais transferidos nunca ocorrem quando os sujeitos não interagem, quando o potencial evocado não é claro ou quando um sinal (flash) não é aplicado.

A análise estatística mostra que o potencial transferido é obtido desde o momento da estimulação até cerca de 132 μs. A notável semelhança entre os potenciais transferidos e evocados e a ausência total de potenciais transferidos nos experimentos de controle não deixa margem para dúvidas sobre a existência de um fenômeno incomum, a saber, a propagação de influência sem sinais locais. Como já observado, a semelhança dos potenciais evocados e transferidos não pode ser devido a uma correspondência de baixa frequência não especificada (ondas alfa) por causa dos filtros de baixa frequência que usamos.

Os dados indicam que o cérebro humano é capaz de estabelecer relações íntimas com outros cérebros (quando interage com eles de forma adequada) e pode sustentar tal interação, mesmo a distância. Nossos resultados não podem ser explicados como devido à comunicação sensorial entre os sujeitos (uma vez que os sujeitos foram separados durante o experimento e localizados em duas câmaras semi-silenciosas, eletromagneticamente isoladas distantes mais de 14 metros uma da outra) ou como devido à correspondência casual de EEG de baixa frequência.

Isso significa que nem estímulos sensoriais, nem sinais eletromagnéticos podem ser os meios de comunicação. Este ponto é ainda confirmado pelo fato de que não vimos nenhuma atenuação da distância do efeito de transferência em comparação com nossa medição anterior, que envolveu uma distância menor entre os sujeitos. (Observe que o presente experimento serve, portanto, como uma replicação do experimento anterior.) Como é bem conhecido, os sinais locais são sempre atenuados, e a ausência de atenuação é uma assinatura segura de não localidade.

Encorajado pelo teorema de Bell (21) e os resultados do Aspect et al. experimentos (2) em partículas elementares, interpretamos o potencial transferido como uma manifestação de interações não locais entre “membros” de um sistema quântico correlacionado cujas partes, cérebros individuais separados antes da interação, tornam-se um sistema após a interação. Por meio da interação, os cérebros quânticos dos sujeitos tornam-se correlacionados; a estimulação e o colapso da função de onda de um sujeito colapsam simultaneamente a função de onda do outro em um estado idêntico, conforme indicado pela semelhança da PED no sujeito estimulado com o potencial transferido em seu parceiro não estimulado. A similaridade dos potenciais evocados e transferidos refletidos no EEG deve ser devido à estreita correspondência dos campos neuronais dos dois cérebros correlacionados após o colapso.

Em outras palavras, o fenômeno com que estamos lidando é a ação do colapso não local da função de onda de um sistema unificado e não o resultado de uma transmissão usando sinais locais de um cérebro para outro.

Figuras 1 (esquerda) e 2. As Figuras 1 e 2 mostram em sua porção superior as médias obtidas a partir dos potenciais evocados I00. A porção do meio mostra a média de 100 épocas de EEG registradas no sujeito B sincronizadas aos estímulos apresentados ao sujeito A. As partes inferiores das figuras mostram as duas médias sobrepostas. Essas figuras mostram o conjunto completo de amostras registradas após a interação do sujeito. O índice de correlação obtido nos primeiros 132 μs para os potenciais da Fig. 1 foi significativo com p <0,009. O mesmo para a Fig. 2 para os primeiros 73 μs foi significativo com p <0,005. evocados e os potenciais transferidos.

Figura 3. Esta figura, seguindo a mesma disposição das Figs. 1 e 2, mostra os resultados de um experimento durante a Condição 1. Mesmo que um DEP seja observado no Sujeito A, nenhum potencial transferido é visto em seu parceiro. Observe a escala como nas Figs. 1 e 2.

Figura 4. Mesma disposição das Figs. 1, 2 e 3. Esta figura mostra um experimento durante a Condição 2. Nenhum potencial evocado distinto foi eliciado do sujeito estimulado, como pode ser observado. Nenhum potencial transferido existe no sujeito não estimulado. Escala de nota.

Figura 5. Mesma disposição das figuras anteriores. Médias obtidas a partir de 100 épocas sincronizadas de atividade EEG pura no sujeito A e no sujeito B antes da aplicação dos estímulos. Nenhum potencial evocado ou transferido é observado. Escala de nota.

Também é extremamente significativo que a ocorrência de potencial transferido esteja sempre associada ao sentimento dos participantes de que sua interação foi completada com sucesso (em contraste com a falta de potencial transferido onde não existe tal sentimento). A interação que correlaciona os sujeitos em estudo é inteiramente uma interação via consciência não local. Isso indica que a consciência está envolvida no processo de correlação e, portanto, a interpretação idealista de que a consciência colapsa a função de onda quântica após a medição é essencial para os dados presentes fazerem sentido.

É claramente observável que quando dois cérebros interagem, efeitos muito peculiares são observados que se assemelham muito àqueles observados em partículas elementares – objetos de correlação de interação, e uma medição em um componente de um estado correlacionado colapsa o outro componente também, mesmo à distância.

Devido a dificuldades técnicas, não foi possível registrar mais de duas derivações ao mesmo tempo sobre cada assunto. Até o momento, as localizações anatômicas do potencial transferido não foram estudadas, mas vale ressaltar que a derivação 02 (occipital direita) parecia oferecer um potencial transferido mais claro. No momento, estamos iniciando um estudo no qual o córtex cerebral completo será escaneado usando o sistema internacional 10-20 de posições de eletrodos.

Para encerrar, é importante observar que nenhum dos Sujeitos B jamais relatou ter realizado qualquer tipo de experiência consciente relacionada ao surgimento do potencial transferido. Em nossa opinião, isso pode ser devido a processos secundários (por exemplo, pensamento ocioso; veja também Referência 8) no Sujeito B. Espera-se que, com o treinamento, esses sujeitos sejam capazes de vivenciar conscientemente o processo de percepção primária de colapsos correlatos..

Obviamente, nenhuma informação no nível subjetivo está sendo transferida e nenhuma violação do princípio da causalidade está envolvida no experimento. O colapso não local e a subsequente semelhança dos potenciais evocados e transferidos dos sujeitos devem ser vistos como um ato de sincronicidade; o significado da correlação é claro somente depois de compararmos os potenciais. Isso é semelhante à situação Bell-Aspect; o significado da última correlação também fica claro somente depois de compararmos os dados individuais. (10) No entanto, se usarmos um sinal de luz intermitente, o potencial evocado frequentemente carrega uma assinatura de frequência. Na medida em que essa assinatura de frequência também seja retida no potencial transferido, pode ser possível enviar uma mensagem, pelo menos em princípio, usando um código Morse. Este é agora um estudo de fundo junto com um experimento de longa distância em que os indivíduos serão separados por 12.000 quilômetros. Na prática, é claro, tal transferência de mensagem será muito difícil por causa da comunicação direta necessária entre os sujeitos. Foi sugerido que o cérebro obedece a uma equação de Schrodinger não linear para incluir a auto-referência. (22) É possível que, para sistemas que obedecem a equações de Schrõdinger não lineares, a transferência de mensagens via correlação EPR seja permissível. (23)

Reconhecimento

Os autores desejam agradecer a T. Grinberg, M. Prerez, R. Cerezo, L. Schettino, M.A. Guevara, M. GonzJlez e J. Jim & nez por sua assistência técnica e Jean Burns por uma discussão útil. Agradecemos também a Maggie Goswami pela cuidadosa edição do manuscrito.

Este trabalho foi possível graças a uma bolsa concedida pela DGAPA-UNAM (IN502592 e IN500693).

Recebido em 4 de janeiro de 1993.

Referencias

I. A. Einstein, B. Podolsky, and N. Rosen, Phys. Rev. 47, 777 (1935).

2. A. Aspect, J. Dalibard, and G. Roger, Phys. Rev. Lett. 49, 1804 (1982). 

3. R.P. Feynman, Int. J. Theor. Phys. 21, 467 (1982).

4. E.H. Walker, Math. Biosci. 7, 131 (1970).

5. L. Bass, Found. Phys. 5, 155 (1975); F.A. Wolf, Starwave (McMillan, NY, 1984).

6. C.I.J.M. Stuart, Y. Takahashi, and M. Umezawa, Found. Phys. 9, 301 (1979).

7. H.P. Stapp, Fo~md. Phys. 12, 363 (1982).

8. A. Goswami, J. Mind Behav. 11, 75 (1990).

9. J. Eccles, Proc. R. Soc. London, B 227, 411 (1986).

10. A. Goswami, Phys. Essays, 2, 385 (1989). 

  1. That consciousness collapses the quantum wave function was originally suggested by J. von Neumann, The Mathematical Foundations of Quantum Mechanics (Princeton University Press, Princeton, 1955) and by E.P. Wigner, in The Scientist Speculates, edited by I.J. Good (The Windmill Press, Kingswood, Surrey, UK, 1962). The dualistic connotations of this cartier work have been removed in Ref. 10. 
  2. J. Grinberg-Zylberbaum, Creation of Experience (INPEC, Mexico, 1988). 

13. A.J. Marcel, in Attention and Performance, VIII, edited by R.S. Nickerson (Lawrence Erlbaum, Hillsdale, NJ, 1980), p. 435. 

14. A. Goswami and K. McCarthy, J. Mind Behav. 14, 13 (1993); see, also, C.H. Woo, Found. Phys. 11,933 (1981). 15. D.W. Orme-Jolmson, M. Dillibeck, R.K. Wallace, and 

G.8. Landrith III, Int. J. Neurosci. 16, 204 (1982).
16. D. Orme-Johnson, G. Clements, Ch. Haynes, and K. Badaoui, in Scientific Research on the Transcendental Meditation Program, edited by D. Orme-Jolmson and 

J. Farrow (Maharishi European Research University Press, 1977), Vol. 1, p. 705. 

17. J. Grinberg-Zylberbaum and J. Ramos, Int. J. Ncurosci. 36, 41 (1987). 

18. J. Grinberg-Zylberbaum, L Cucli, A. Rieiidaol,and D. Szydlo, Ensefianzae Investigacion en Psicologia VII (2), (1981). 

19. J. Grinherg-Zylberhaum, M. Delaflor, and M.E. Sanchez, Rivista Intercontinental de Psicologia y Edueacion 2, 309 (1989). 

20. A. Goswami, The Self-Aware Universe (Tarcher/Pumam, NY , 1993). 

21. J.S. Bell, Physics 1, 195 (1965); idem, Rev. Mod. Phys. 38, 447 (1966). 

22. M. Mitchell and A. Goswami, Phys. Essays, 5, 526, (1992).

23. J. Polchinsld, Phys. Rev. Lett. 66, 397 (1991). 

J. Grinberg-Zylberbaum, M. Delaflor, and L. Attie Universidad National Aut6noma de M6xico and Instituto Nacional Para el Estudio de la Conciencia Apaxtado Postal 22-836 

Delegaci6n Tlalpan
C.P. 14000 M6xico, D.F. 

A. Goswami
Department of Physics
and the Institute of Theoretical Science University of Oregon
Eugene, Oregon 97403-5203 U.S.A. 

 

 

• Blog •

Imagem do post

Curso Inicial de Comunicação Animal entre Consciências – edição Santuário Animal Rancho dos Gnomos

Imagem do post

Palestra Reiki e Dor – 3º Simpósio de Med. Veterinário Integrativa da Faculdade de Med. Vet. da USP

Imagem do post

Live sobre Reiki dia 26 de novembro